Identificação biométrica

Identificação biométrica
Sua digital faz toda diferença
Cadastramento biométrico - Recadastramento Biométrico - Justiça Eleitoral
Biometria
Mão - Dedo - Computador - Leitor biométrico

No mais recente ciclo do cadastramento biométrico obrigatório promovido pelo TRE-SP, entre 2017 e 2018, 85 municípios concluíram com sucesso o procedimento de coleta biométrica.

Em São Paulo, já são 100 as cidades que completaram o cadastramento biométrico obrigatório. Confira aqui a lista.

Após as Eleições 2018, será iniciado um novo ciclo de cadastramento biométrico obrigatório no Estado de São Paulo. A meta do Tribunal Superior Eleitoral é concluir a operação em todo o país até 2022.

 

Mais informações:

Central de Atendimento ao Eleitor148* (não realiza agendamento para biometria)
* custo de ligação local em todo o Estado

A biometria é uma tecnologia que confere ainda mais segurança à identificação do eleitor no momento da votação. Acoplado à urna eletrônica, o leitor biométrico confirma a identidade de cada pessoa por meio das impressões digitais, armazenadas em um banco de dados da Justiça Eleitoral e transferidas para as urnas eletrônicas.

É necessário o prévio cadastramento no sistema para que o eleitor seja identificado por meio da digital nas eleições. O procedimento é feito no ato do atendimento em cartório ou em posto da Justiça Eleitoral e envolve a coleta das impressões digitais, fotografia e assinatura digitalizada de cada pessoa, além da atualização dos dados constantes no cadastro.

Até maio de 2018, 14.717.132 eleitores fizeram  a identificação biométrica no Estado (44% do eleitorado paulista), dos quais 4.334.547 estão na capital (48% dos eleitores da cidade).

Implantação no Estado

O cadastramento biométrico foi estendido para todo o Estado em 2015, sem obrigatoriedade de comparecimento. Atualmente, os mais de 33 milhões de eleitores de São Paulo têm à disposição 393 cartórios – 58 na capital e 335 no interior – devidamente preparados e aptos a coletar dados biométricos dos cidadãos, além de postos e unidades do Poupatempo.

A implantação da biometria no Estado, porém, foi realizada em etapas, devido ao expressivo número de eleitores.

O primeiro município paulista a passar pelo cadastramento biométrico obrigatório e utilizar a biometria nas eleições foi Nuporanga, em 2010. Na sequência, Sales Oliveira, Itupeva e Jundiaí passaram pela coleta de dados biométricos e, em 2012, já tiveram eleições municipais com identificação biométrica.

Entre 2013 e 2014, 11 municípios paulistas passaram pelo mesmo procedimento: Águas de São Pedro, Analândia, Corumbataí, Embu das Artes, Ipeúna, Itirapina, Louveira, São Pedro, Santa Gertrudes, Santa Maria da Serra e Vinhedo. Dessa forma, nas eleições de 2014 e 2016, 15 municípios paulistas utilizaram a biometria para confirmar a identidade do eleitor no momento do voto.

No mais recente ciclo do cadastramento biométrico obrigatório promovido pelo TRE-SP, entre 2017 e 2018, 85 municípios concluíram com sucesso o procedimento de coleta biométrica. Nas Eleições 2018, serão 100 as cidades que terão a identificação biométrica dos eleitores no momento do voto. 

 

Mais informações:
Central de Atendimento ao Eleitor148* (não realiza agendamento para biometria)
* custo de ligação local em todo o Estado

Atualmente não é possível fazer a identificação biométrica, devido ao fechamento do cadastro em 9 de maio. O eleitor que deseja atualizar o cadastro com os dados biométricos deverá agendar seu atendimento e então comparecer ao cartório ou posto da Justiça Eleitoral indicado a partir de 5 de novembro, quando o cadastro será reaberto.

As unidades do Poupatempo com serviços eleitorais também retomarão as atividades de cadastramento biométrico na mesma data. O agendamento prévio será necessário.

 

Mais informações:
Central de Atendimento ao Eleitor148* (não realiza agendamento para biometria)
* custo de ligação local em todo o Estado 

1) O que é a biometria na Justiça Eleitoral?

A biometria é uma tecnologia que confere ainda mais segurança à identificação do eleitor no momento da votação. Acoplado à urna eletrônica, o leitor biométrico confirma a identidade de cada pessoa por meio das impressões digitais, armazenadas em um banco de dados da Justiça Eleitoral e transferidas para as urnas eletrônicas.

 2) Não fiz minha biometria e no município em que moro ela era obrigatória. Como devo proceder?

O eleitor que não fez o cadastramento biométrico obrigatório dentro do prazo teve o título cancelado e não poderá votar nas Eleições 2018. A partir de novembro, será possível agendar atendimento e regularizar o título nos cartórios eleitorais e postos da Justiça Eleitoral.

 3) Nas cidades em que o cadastramento biométrico não era obrigatório, o eleitor que fez a biometria já vai ser identificado pelas digitais?

Alguns municípios que iniciaram o cadastramento biométrico sem obrigatoriedade de comparecimento terão a identificação híbrida nas eleições. Nesse caso, eleitores com dados biométricos coletados serão identificados pelas digitais, e os que não fizeram a biometria serão identificados da forma tradicional. A lista de cidades que terão identificação híbrida será oportunamente divulgada.

 4) Como sei se já fiz a biometria?

O título de eleitor de quem fez a biometria tem impresso, no canto superior direito do documento, “Identificação biométrica”.

 5) Quantos municípios já completaram a coleta dos dados biométricos de seus eleitores?

No total, 100 municípios passaram pelo cadastramento biométrico obrigatório. Destes, 15 já utilizaram a biometria nas eleições de 2016.

Biometria nas eleições:

Eleições 2010

Eleições 2012

Eleições 2014

Eleições 2016

 

6) Quantos eleitores realizaram a biometria no Estado e nos municípios?

O número pode ser obtido neste link.

 7) As digitais de quais dedos são cadastradas?

O eleitor, quando comparece ao cartório, cadastra todos os dedos das mãos, tira uma fotografia e cadastra uma assinatura digitalizada. Na hora da votação, o eleitor posiciona o dedo no leitor da urna eletrônica. O sistema faz até quatro tentativas de reconhecimento das digitais.

Quem vota com identificação biométrica não precisa assinar o caderno de votação, que contém, ainda, fotografia do eleitor que já fez o cadastro.

 8) Se não é possível a autenticação, por erro da digital ou outra dificuldade, qual o procedimento?

Quando não é possível confirmar a identidade do eleitor pela sua digital, o mesário verifica novamente os documentos do eleitor e confirma os dados informados, para garantir que não houve equívoco. Se confirmada a identidade do eleitor, mesmo não havendo o reconhecimento biométrico, o mesário libera a votação com código próprio. Nesse caso, o fato é registrado na ata da seção e o eleitor deve assinar o caderno de votação, além de retornar posteriormente ao seu cartório eleitoral para uma nova coleta de digitais.

 9) Os dados biométricos ficam na urna eletrônica ou são comparados com algum banco de dados remoto?

A urna não tem nenhuma conexão com rede de computadores. Todas as informações dos candidatos e dos eleitores são previamente inseridas na urna eletrônica, sendo que cada urna só tem dentro dela os dados biométricos dos eleitores daquela seção específica. A urna possui lacre especial e, caso haja rompimento, o equipamento fica inutilizado.

 

Mais informações:
Central de Atendimento ao Eleitor148* (não realiza agendamento para biometria)
* custo de ligação local em todo o Estado